Escolas alternativas para as Crianças Índigo e Cristal

De Olho nos Métodos

Pais devem atentar para a linha pedagógica antes da matrícula.

Montessori, Waldorf, construtivismo… Para a maioria dos pais, as linhas pedagógicas adotadas por cada escola não passam de um nome esquisito. Mas são eles que indicam a forma como o conhecimento será transmitido ao aluno. Por isso, é importante informar-se quanto à metodologia aplicada pela instituição antes de efetuar a matrícula. Na prática, todos os modelos são eficientes desde que estejam de acordo com os valores praticados pela família. O primeiro passo é saber se a proposta segue a linha conservadora ou liberal, e procurar aquela que tende a conflitar menos com as regras aplicadas dentro de casa. A liberal valoriza a autonomia da criança, enquanto que as escolas tradicionais destacam o conteúdo como diferencial e se gabam de preparar melhor o aluno para o vestibular.
O segundo passo é conhecer as propostas de cada teoria e verificar como a instituição as coloca em prática. A mais difundida é o construtivismo, que se baseia nos estudos do psicólogo Jean Piaget e serve de vórtice para outras vertentes, como o sociointeracionismo e o socioconstrutivismo. A idéia é que o professor, em vez de explicar a teoria, indique o caminho para que o aluno alcance a explicação.

Outra proposta de cunho liberal é o progressismo, que defende que o esforço e a disciplina na busca do conhecimento devem partir do aluno ao invés de serem impostos pelo corpo docente. Baseadas nessa idéia, surgiram outras duas escolas: Waldorf e Montessori.

Descrevem-se as duas modalidades de escolas alternativas que existem atualmente no mundo para as Crianças Índigo. Considera-se “alternativo” um sistema educativo diferente do que existe, que já provou a sua ineficácia em atender as novas crianças. Referimo-nos, especialmente, às escolas públicas das grandes cidades, pois nem todas são inadequadas para as Crianças Índigo. Temos observado uma tremenda mudança em pequenas cidades, devido a um diretor com uma forma avançada de pensar ou um sistema no qual os professores tenham muita flexibilidade. Ainda que evidenciemos estes esforços, sabemos que esta não é a norma.
Gostaríamos de ter uma lista das escolas em todo o mundo, por país e cidade.
Se você acredita que existem outros sistemas educativos que deveríamos incluir, ou tem informações sobre alguma escola para Crianças Índigo na sua cidade, por favor,informe-nos. Desta forma poderá contribuir para a mudança. O que realmente queremos é proporcionar, a todos, a última informação sobre o assunto, pois não pretendemos promover nenhuma escola com intenções comerciais.

Como será uma escola alternativa?

A resposta é uma escola que siga os padrões e sugestões da lista abaixo. Existe escolas assim? Sim, e muitas delas existem há bastante tempo, mesmo antes do fenômeno Índigo.

1. Nestas escolas quem é respeitado são os estudantes, não o sistema.
2. Os estudantes têm a oportunidade de escolher a forma como as lições serão apresentadas, e a que
ritmo.
3. O currículo é flexível.
4. As crianças e os professores, não o sistema, são os responsáveis por estabelecer os blocos de aprendizagem.
5. Os professores têm grande autonomia com os seus grupos de estudantes.
6. Não se veneram os velhos paradigmas educativos. As novas ideias são bem-vindas.
7. A forma de avaliação muda e afina-se constantemente para se adaptarem às capacidades dos estudantes.
O mesmo se passa com a forma de ensinar e a maneira dos estudantes absorverem esta informação
(Não há nada pior do que crianças brilhantes obrigadas a apresentar velhos exames que estão abaixo
das suas capacidades. Como estas crianças são mal interpretadas e qualificadas como mentalmente ineptas,
os seus exames são um fracasso. O tipo de exame deve evoluir com a consciência do estudante).
8. Uma mudança constante na forma de fazer as coisas é a norma da instituição.

O que se segue pode ser controverso. Apresentamos aqui a primeira da escolas de cujos sistemas educativos temos notícias no momento de produzirmos a primeira edição deste livro.

As escolas Montessori

O Método montessori ou pedagogia Montessoriana relaciona-se à normatização (consiste em harmonizar a interação de forças corporais e espirituais, corpo, inteligência e vontade).

“O nosso objetivo não é só fazer com que a criança entenda sem a obrigar a memorizar. Queremos, também, tocar a sua imaginação para entusiasmar o canto mais recôndito do seu coração.”
Dr.ª Maria Montessori.
A escola Montessori é, talvez, a mais conhecida no seu estilo. Com uma linguagem que se iniciou em Roma, em 1907 com o infantário do Dr. Montessori, estas maravilhosas escolas floresceram a nível nacional como escolas e educadores licenciados, que definiram as crianças como “estudantes independentes”.
A Sociedade Montessori Americana (AMS) foi fundada em 1960. O seu único e revolucionário método de ensino parece ter-se desenvolvido para preencher o vazio educativo das Crianças Índigo.
Apresentamos, a seguir, as bases da sua filosofia de acordo com a publicação do seu próprio material:

O sistema educativo Montessori é único porque se concentra na criança integral. O objetivo primordial do programa Montessori é ajudar cada criança atingir o seu potencial em todas as áreas da vida. A suas atividades promovem o desenvolvimento de capacidades sociais, de crescimento emocional e de coordenação física, ao mesmo tempo que de preparação cognitiva. O currículo holístico sob a direcção de um professor especialmente preparado, permite à criança experimentar a alegria de aprender, assegurando o desenvolvimento da sua auto-estima e proporcionando as experiências necessárias à sua aprendizagem. O programa da Dr.ª Montessori foi feito para encaixar dentro de cada criança, e não que cada criança se encaixe no programa. O respeito pela individualidade de cada criança é o centro da sua filosofia. E este respeito conduz ao desenvolvimento das relações de confiança mútua.
A organização Montessori também forma professores. Atualmente existem cerca de 5000 escolas Montessori privadas e públicas, na América. Podes encontrá-las em bairros opulentos, comunidades de imigrantes,
em pequenas cidades e em áreas rurais. Todas elas com crianças de diferentes extratos sociais,culturais, étnicos e econômicos.

As Escolas Waldorf são as que estão mais comprometidas com a qualidade da educação. Todas as escolas farão o possível para melhorar a filosofia que sustenta o sistema educativo Waldorf.

O que é a Pedagogia Waldorf?

A Escola Waldorf Rudolf Steiner, a exemplo das escolas Waldorf espalhadas pelo Mundo, adota um currículo comum e um método de ensino baseado na Pedagogia Waldorf, que busca estimular o entusiasmo pelo aprendizado e um desenvolvimento saudável, além de incentivar as faculdades críticas e de julgamento que surgem com a adolescência.

A Pedagogia Waldorf busca o desenvolvimento harmonioso do ser humano.

As escolas Montessori são um sistema de educação alternativo bem estabelecido e muito conhecido, tal como as escolas Waldorf, também conhecidas como Escolas Rudolf Steiner.
Em 1919, em Estugarda, Alemanha, abriu a primeira escola Waldorf do mundo. E em 1928, em Nova York, abriu a primeira escola Waldorf da América do Norte. Hoje reconhece-se que o sistema Waldorf é o maior e o de mais rápido crescimento dos todos movimentos educativos no mundo, com 500 escolas em mais de 30 países. O movimento é muito forte na Europa Ocidental, especialmente na Alemanha, Áustria,Suíça, Holanda, Grã-bretanha e nos países escandinavos.

Atualmente, na América do Norte, há aproximadamente 100 escolas,algumas seguem a pedagogia Waldorf no Brasil.
Desde a sua fundação, em 1919, o propósito explícito das Escolas Waldorf foi desenvolver seres humanos livres, criativos, independentes e morais. A missão de Steiner era “Aceite as crianças com reverência, eduque-as com amor, deixe-as caminhar em liberdade.” Pensa você que Steiner tinha alguma ideia sobre as Crianças Índigo? Ele foi, de fato, um educador com pensamentos avançados.

Apresentamos aqui um parte de um artigo publicado em 1989 por Ronald E. Kotzsch, Ph.D, do jornal East West Journal:

Entrar em uma Escola Waldorf é como passar através do espelho de Alice no País das Maravilhas, em educação. É um mundo surpreendente, algumas vezes desorientador, cheio de contos de fadas, mitos e lendas, ou música, arte, demonstrações físicas, jogos e festivais da estação, de livros de tarefas escritos e ilustrados por estudantes, um mundo sem exames, graus, computadores ou televisão. É, em resumo,um mundo onde as ideias e práticas do sistema educativo americano ficaram para trás.

About these ads

49 comentários em “Escolas alternativas para as Crianças Índigo e Cristal

  1. Boa noite, vcs podem me informar a onde posso encontrar uma escola Pedagogia Waldorf em são Paulo Ipiranga ou no ABC . São Caetano do sul?
    Aguardo resposta
    Grata
    Karina 20681663

      • Pedagogia Waldorf, não sei, mas aqui está um ótimo início!

        (((Criança índigo ou cristal.
        Escola para formação de seres humanos especiais.
        Todos nós somos corresponsáveis pela mudança.
        Criança isso ou aquilo não funciona se não houver adultos inteligentíssimos orientando os passos dessas crianças.
        A alimentação errada de milênios precisa voltar a ser absolutamente natural, para podermos resgatar através de um sangue puríssimo o paraíso que era nosso.
        Nosso cérebro computador funciona de forma precária se não for alimentado por este sangue puríssimo.
        A evolução tecnológica é um grande avanço, mas os games e outras idiotices estão levando nossas crianças para o caminho errado.
        O cérebro de um bebê é OK, e quem formata este cérebro computador é a mídia e os adultos.
        Será que deu para entender?
        Na verdade, aquela escola de Harry Potter é uma ficçãozinha barata, pois que a escola de se fazer gênios com poderes especiais, ainda não existe.
        Esta escola precisaria estar num local isolado, com adultos especialíssimos, ou seja, aqueles que não são escravos dessas tecnologias modernas e nem de mídias hipnotizadoras.
        Esses adultos seriam os professores desses futuros gênios com poderes especiais.
        Também seria necessário pais especiais.
        Eles deixariam seus bebês nesta escola formatadora de gênios, por vários anos, para que a formatação fosse realizada com absoluto sucesso.
        Nessa escola isolada do mundo, só seria permitido computador e telefone fixo
        Também é proibido programar o cérebro dos estudantes com os ilusionismos das:
        ficções infantis, dos interesses por futebol, política, religião; assim como idolatrar estes “bezerros dourados” de carne e osso da atualidade, que são apenas programinhas softwares a nos entreter, robotizar, e nos impedir de desenvolver os dons divinos, herança e prerrogativa de todo filho de Deus.
        Ou devemos achar que Moisés, Jesus e tantos outros eram idiotas, que ao invés de procurar gozar as delícias e prazeres do mundo, e da carne, preferiram o isolamento nas montanhas e cavernas?
        Eles fizeram a diferença!
        E nós, o que estamos fazendo?
        Nesta escola se ensinaria sobre as biografias dos gênios e sobre todos os homens com capacidades especiais, sobre os profetas e sobre Jesus Cristo.
        O uso da fé, que Jesus usava, e procurava ensinar a seus apóstolos, passará a ser patrimônio desses futuros gênios.
        Os adultos têm uma formatação cerebral totalmente errada, por isso é quase impossível fazer com que um adulto se torne gênio!
        O pau que nasceu e cresceu torto, não tem jeito, vai continuar torto.
        Essas crianças aprenderiam a usar os poderes da mente, sem a necessidade daquelas varinhas de Harry Potter e sua turminha.
        É muito simples: o que impressiona em demasia uma criancinha é o que ela será futuramente.
        É por isso que a ótima formatação é essencial para se formar gênios!
        O diploma, ou melhor, o login e a senha para entrarmos nos mundos celestiais após a morte do corpo, só será conseguido por alunos obedientes, aplicados!
        Aqui, nesse mundo, onde o egoísmo impera, estamos quase todos lutando por direitos, e os aduladores hipócritas reforçam essa idéia, quase sempre para ganhar audiência, mesmo sabendo que estão errados.
        De uma forma ou de outra eles sabem que adoramos ser bajulados, mas detestamos aqueles que observam nossas fraquezas, mesmo que seja para o nosso próprio bem.
        Assim, fica mesmo difícil consertar nosso mundo.
        Esse conserto poderia ser pelo amor incondicional, mas, pelo andar da carruagem, parece que vai ter que ser mesmo pela dor!
        Estamos aqui como servos de Deus, e não para sermos servidos.
        Os bons servos terão a posse do login e senha. (25/02/11) )))

    • tem uma ali proximo a chacara flora…na zs perto do aeroporto de congonhas, eu particularmente estudei no montessori lubienska proximo ao jabaquara…hj em dia é so escola montessori santa terezinha

      • Bom dia, Lauro! O caminho mais curto você encontra pela
        Federação das Escolas Waldorf do Brasil (google). Sucesso!!

    • Pessoal,

      O movimento do qual fazem parte as Escolas denominadas de “Waldorf ou Antroposóficas” é regulado pela SAB – Sociedade Brasileira de Antroposofia, onde pode ser encontrada uma lista de escolas cadastradas no Brasil.
      O movimento cresce progressivamernte e muitas iniciativas antroposóficas, tanto em educação quanto em saúde, vem sendo alavancadas país a fora.
      Faço parte de um grupo de pessoas em processo de formação em Pedagogia Antroposófica no Rio de Janeiro e temos imenso prazer em divulgar o movimento.
      Maiores informações segue meu email: izabelsousa@hotmail.com.
      Um forte Abraço,

  2. Eu acho essa garota brilhante! Não por ser minha filha,mas por conviver com seus atos e companheirismo.
    O que falta em Bombom é atitude de enfrentar aquilo que ela deseja!
    principalmente o pai que as vezes é um nazista! Ele dita as coisas a serem feitas! Não temos a menor escolha!

  3. Tenho um filho que tenho serteza que indigo. hoge as escolas nao sao preparadas para este tipo de ensinamento,ai ficamos disisperadas, porque ,a escola começa a reclamar e mesmo sabendo do caso nao sabem como agir e uma pena gostaria que exstise escolas para esta crianças, moro em sao bernardo do campo meu telefone 28654367 se tiverem uma resposta ou endicar para mim sobre escolas ficarei agradecida um grande beijo

    • OI JOSEFA… NÃO SEI A IDADE DE SEU FILHO. MINHA BB ESTA NO KUKA NENE – SITEMA JEAN PIAGET NO BAIRRO ASSUNÇÃO E TEM O COLEGIO JEAN PIAGET NO RUDGE RAMOS (FICA NA VIA ANCHIETA PERTO DA SAIDA PRA AV CAMINHO DO MAR)

  4. Josefa, tenho um filho de onze anos com o mesmo perfil e estou enfrentando problemas também com as escolas. Soube que há uma escola com metódo mais apropriado para lidar com esse tipo especial de crianças e jovens, chama Valdorf. Vc pode acessar o site Colégio Valdorf, só não sei se tem em São Bernardo. Boa sorte!

  5. Porto Alegre: Lá tem educadores que buscam informação na pedagogia waldorf, aplicando suas teorias de forma adaptada à realidade atual, sem os excessos. Acrescentam construtivismo, ecologia, valores afetivos e emocionais.

    A pedagogia Waldorf pura tem pontos negativos: o uso de materiais rústicos em demasia choca-se com o grande apelo estético dos parquinhos das escolas tradicionais. A aversão ao computador (do século 21) é um problema em potencial. Como podem afirmar que trabalhar o raciocínio lógico exigido pelo computador é ruim, antes de uma certa idade, se Rudolf Steiner morreu em 27 e o primeiro computador só foi inventado em 44?? Além do mais, atualmente só trabalha em computador aplicando raciocínio lógico, o programador profissional (C++, Cobol, Fortran). O computador , para a criança de hoje, através do you-tube, é um instrumento de multimídia operado pelo professor, da mesma forma que as vitrolas e toca-discos da minha infância. Aliás, uma ótima opção à passividade alienante da televisão.

    Estamos em um milênio novo, é necessário uma educação nova para um cidadão novo.

    • não necessariamente, uma criança não precisa de computador para nada! um criança tem que brincar de bola, desenhar, brincar de pique, correr. onde entra o computador na vida de uma criança? e o video game? pra que? alienar? como eu muitos pais pensam assim, os que não concordam devem colocar seus filhos em outro tipo de escola.

  6. Meu filho tem 3 anos… e ele é uma criança cristal… tenho mta aflição qnto a educação escolar dele… pois as escolas não suprem as necessidades desses seres… e ainda mais eu estudando Psicologia vejo o qnto o ensino tradicional machuca a alma desses peqnos seres… todo o ensino deve ser reformulado pra que esses espiritos tenham o desenvolvimento pleno de suas faculdades.

    • Oi Bruna, eu tambem tenho essa sensacao, por isso, alem do estilo do ensino é muito importante. As vezes a gente nao tem dinheiro para colocar os filhos na escola dos nossos sonhos (meu caso) mas pelo menos da para colocar numa escola onde haja uma profa legal. Coloquei minha filha numa escolinha e foi horrivel. Troquei pra outra e la conheci uma profa incrivel. Ela deveria estar na classe das borboletas mas pedi para ela ficar na classes das centopeias pq a profa era muito mais “gente”. Agora ela ta super feliz e se desenvolvendo muito em amor e delicadeza

  7. Olá Renata, posso falar que a Pedagogia Logosófica leva a um hiperracionalismo que de certa maneira se contrapõe especialmente a essencia do que seria ser uma “criança índigo”. A pedagogia Montessori, e igualmente a Waldorf, são bem interessante mas ainda não consegue livrar-se den uma diretividade adulto-criança, fora uma utilização extensiva de situações como faixa etária etc., que já são ultrapassados para uma mente de outra época. O que se pode pensar como uma pedagogia mais apropriada para a índigo é a de Summherhill, que quebra o conceito hierarquico de “crescimento” que as pessoas mal conseguem enxergar.

    Grato.
    Arnaldo V. Carvalho
    Terapeuta e Pedagogo.

    • Arnaldo, existem escolas com a pedagogia Summherhill, aqui no Brasil ? Li algo em um blog sobre a Summhehill, pelo que conheço da Montessori também divide em grupos etários de tres em tres anos.

      Grata
      Andrea Virginia
      Arquiteta e interessada em educação

  8. Uma escola com novos paradigmas de educação é um privilégio, todos os modelos novos são bem vindos, na minha infância, na primária, tive uma professora extremamente autoritária e neurótica em que o método de ensino dela era através de humilhações e maus tratos fisicos. Desde as 08 da manha até ás cinco eu aprendia á base de porrada. Meus pais não quiseram saber, Achavam que era porque eu merecia. Isto durou 6 anos. Moral da história desenvolvi uma gagueira e até hoje não tenho confiança nas minhas capacidades, seja no meio escolar ou profissional e até pessoal. Respeitar a individualidade de uma criança e ensiná-la a desenvolver seu potencial e seus dons e acima de tudo respeitar seu ritmo é extremamente importante para o adulto em que ela se tornará.

  9. Cara Raquel, passei por isso em casa, quando criança,
    Mas o que me ajudou foi, o teatro, livros do Léo Buscáglia, e muito livros de reflexão, que rotulam como auto ajuda, mas são livros excepcionais,que me ajudou com a gagueira, me livrei dela, e você se livrará com certeza

  10. Estou fazendo EaD em Pedagogia na Uninove, tenho 52 anos.
    Muito interessante este artigo sobre as crianças e esses dois métodos de Ensino.
    Fiquei desapontada comigo mesma ao ver aqui citado o método Montessori, pois neste 1º Semestre, pela distância( moro no interior de São Paulo, Cerquilho) e falta de conhecimento de tal fato, permaneci no auditório com um grupo, e neste mesmo momento em outra sala acontecia uma atividade com representantes deste método… A Pedagogia usada lá é muito diferente da qual estou tendo acesso? Alguém poderia me esclarecer? Caso afirmativo buscarei outra direção.
    Agradeço a Arnaldo V. Carvalho, que deixou em seu comentário, uma citação sobre
    Summherhill, fiquei curiosa, irei em busca.

    Grata

    Silvia Regina de Oliveira Lopes Verga

  11. Boa Tarde
    Tenho uma menina de 5 anos, totalmente diferente de outras crianças, ja estudei sobre índigos, pesquisei, li os livros disponíveis no mercado, o que ocorre sou de uma cidadezinha de 5 mil habitantes no interior de minas gerais! Morei em Uberlândia e busquei por psicologos, aqui o povo nem sabe o que é um ser índigo, nem medicos, nem especialistas, nem escolas, nem nada! As pessoas acham que sou louca, então eu mesma passei a estudar minha filha, seu comportamento, sua mediunidade, e ainda me restam duvidas sobre sera que tenho mesmo um índigo em casa? Como ter essa certeza….. não seria somente mediunidade porque ela fala claramente de mundos extirpados, planetas exonerados e coisas do gênero, não sou eu quem ensina, na minha casa sou eu a mãe quem aprende diariamente com as coisas que ela fala!
    Ainda me restam dúvidas como ter certeza se minha filha é um índigo, cristal, não sei, possuem as mesmas caracteristicas fisicas, dotada de extrema inteligencia e diferente em tudo…. Podemk me ajudar? Obrigada

  12. sou índigo artista, mas descobri isso apenas nos meus 18 anos. Já fui tratada com drogas, diziam que eu tinha transtorno bipolar…depressão…mas apenas agora eu sei o que sou. Existe algum lugar ou alguém para procurar?

      • Caro Paulo, tenho algumas questões/observações práticas relacionadas P. Waldorf.
        1. Quem/Como são as crianças e as famílias do SEC XXI (?)
        2. Como adequar o método a esta época (?)
        3. Como adequá-lo ao Hemisfério Sul, onde vivemos?
        4. Como adequá-lo a Cultura Brasileira e seus desdobramentos regionais?
        Com base nessas questões, tenho observado que as instituições vêm apresentando algumas, ou muitas, dificuldades no cumprimento da sua missão de EDUCAR.
        (convivo com a P. Waldorf, há mais de 16 anos. onde estudaram meus filhos, e agora netos)
        Fico à disposição no que for necessário.

        Atenciosa e carinhosamente,

        Alcinda Maria Uruitá
        ,

      • As escolas devem se adequar a isso, como ??? Aí já é uma pergunta muito difícil pra mim!!!
        Porém as escolas com esta pedagogia se adequam muito bem ao nosso hemisfério, mas isso depende dos professores.

      • Caro Paulo, certamente são questões muito complexas, mesmo. E felizmente já levantadas por pais, alunos e profissionais, inclusive professores com formação Waldorf (pro meu consolo, não sou a única!) Lhe asseguro que, ao longo do tempo em que a P. Waldorf se instalou no Brasil muitas ações discrepantes entre teoria e prática aconteceram. (aliás, nenhuma surpresa em se tratando do Ser Humano e suas tantas faces, olhares, interpretações…) Contudo, nestes tempos,mais do que nunca, separar o joio do trigo É VITAL. Como antropóloga, e psicopedagoga, apaixonada pelo tema EDUCAÇÃO, acompanho, há mais de trinta anos, essa pedagogia que procurei para os meus filhos, Valeu? Sim valeu!!! Mas hoje, com meus netos, novas questões se apresentam, exigindo novas respostas. Os pontos colocados são hipóteses a serem pesquisadas (já em andamento!), como tentativas de encontrar NOVOS caminhos.
        Esta que lhe escreve convive, há mais de dezesseis anos, num ambiente de iniciativa antroposófica, com uma escola Waldorf com mais de 28 anos de atuação. São vivências práticas, não meras teorias reformistas.
        SIM, sem dúvida, acredito que toda e qualquer pedagogia tem, na figura do professor, o seu maior representante/responsável.
        Peço-lhe desculpas se não consegui me expressar melhor, me fazer entender.
        E fico à disposição para algo mais consistente.

        Com gratidão e carinho,

        Alcinda Maria Uruitá
        Bairro Demétria, Botucatu/SP

    • Olá, Lia! Na minha prática profissional tenho observado uma característica básica na “Criança Cristal”. Essa criança, além de nos trazer mensagens de como encurtar a distância entre o pensar e o agir, se apresenta, em princípio, como mediadora, pacificadora. Especialmente imaginativa, essa sensibilidade, para se manter ativa, exige muita cautela, por parte do adulto em particular, do professor-educador.
      O SER do educador é o que mais conta, além do número de crianças no espaço pedagógico. Este deve permitir e facilitar, um olhar e um atendimento a individualidade de cada criança.
      Espero ter ajudado na sua escolha!

      Com carinho,

      Alcinda Maria Uruitá

      • Alcinda Maria(índia), mto obrigada pela resposta, mas a maior dificuldade que minha filha apresenta é o desprezo, digamos assim pela comunicação verbal, o que dificulta sua interação social, deixando-a isolada na escola. Ela tem 4 anos, fala, conversa com a gente em casa, mas na escola recusa-se a conversar e responder perguntas. É a segunda escola em que ela está, na primeira, as professoras a tratavam por autista, por estar sempre isolada, brincando e conversando sozinha. Foi feita uma avaliação psicológica, constatou-se que ela está longe do autismo, é uma criança normal, inteligente, imaginativa, carinhosa, mto delicada, sem agressividade, por isso prefere brincar só do que correr o risco de se machucar ou machucar alguém nas brincadeiras infantis em grupo, que para ela são mto agitadas e barulhentas. Está sendo feito um trabalho de interação social com ela, mas não vejo mta compreensão por parte da escola e dos professores, que simplesmente a acham “esquisita”, sentindo-se pouco a vontade na sua presença e passando este rótulo para os outros alunos.

  13. Por fvr, meu filho tem 14 anos e foi diagnosticado como AUTISTA DE ALTO FUNCIONAMENTO, gostario de saber qual melhor método de ensino p ele.
    Grata.
    Rosana

    • Rosana querida, antes, parabéns por OLHAR e VER verdadeiramente o seu filho.
      Quanto a escolha do método, lhe sugiro escolher aquele que tem EDUCADORES e não técnicos em educação. Os verdadeiros educadores olharão e se relacionarão com o seu filho, a partir da individualidade que ele traz, suas potencialidades etc, etc…Poderíamos chamar esse método de “Humanista Autêntico” (!?), cuja fonte é o AMOR, a Empatia, a Compaixão. Siga esse rastro para encontrar o melhor método. E continue observando, acompanhando o desenvolvimento de seu filho, o interesse dele por aprender, como se processam as suas relações sociais. São itens que poderão lhe servir como meios de avaliação. Sucesso para vocês!!!

      Grata pela reflexão!!!

      Com carinho,

      Alcinda Maria Uruitá

    • Lia, querida! Como profissional, mãe e agora avó, absorvo integralmente a sua colocação. Essas nossas crianças, além de tudo, vêm para remover o nosso medo de mudar, especificamente, o medo de encarar O NOVO; O educador desta época, requer para si, além de sensibilidade, empatia, coragem: um saber amoroso!
      Neste caso, vale a pena tentar (não sei se onde vc mora é possível…) encontrar um Jardim Waldorf, escolhendo, se possível, uma jardineira com os caracteres acima. Busque no google, por exemplo: jardins waldorf no Brasil. Caso não consiga, me envie um e-mail pessoal, para que eu possa lhe ajudar melhor.
      Ao mesmo tempo, pelos seus motivos e outros afins, está crescente no Brasil (já comum em países europeus), um movimento denominado “desescolarização” e que, basicamente, propõe uma releitura mais radical, mais profunda dos valores que regem os espaços pedagógicos na atualidade.

      Fique à vontade para me me escrever!

      Com carinho e gratidão,

      Alcinda Maria Uruitá

  14. Meu nome é Renato de tróia, sou um escritor, e escrevi Soldados Azuis onde um Índigo é a personagem principal. Eles são os soldados que vão libertar este mundo ainda ignorante e muito diferente.
    Um abraço a todos -

  15. Bom dia a todos!
    Tenho um filho de 8 anos, e ele estuda na escola Rudolf Lanz, pedagogia Waldorf, no interior de S.Paulo. E eu estou adorando, pois todo o aprendizado é feito através de vivências. E para ele está sendo ótimo. Na escola normal ele vivia estressado, cheio de conflitos, cheio de cobranças que não eram para a idade dele. Ele mudou muito, e para melhor! Em casa ele acessa o computador, pesquisa e joga, como qualquer criança, e coloquei ele no Kumon, como vários coleguinhas da classe dele. A pedagogia Waldorf é um investimento que vale a pena!

  16. Sou Pedagoga e tenho uma preocupação pois os professores e as escolas não estão preparadas para lidar com as nossas crianças e não falam sobre o assunto, quando deparamos com crianças índigos ou cristais estão sendo encaminhadas a psicólogas e psiquiatras que as estão medicando. Eu tive a felicidade de ter passado por mim três adolescentes índigos, consegui fazer que eles confiassem em mim deixando que eles se manifestassem, o autoritarismo, punições e enfrentamento não levam a lugar algum principalmente com índigos. Hoje lido com crianças com um grau de inteligência muito alto, mas considerados rebeldes, mal educados e muitas vezes até agressivos, mas quando converso eu vejo uma criança normal e precisa de estímulos diferentes já sugeri para minhas professoras mudar o método usado na sala de aula, tenho conseguido algum resultado o problema e que as professoras já olham as crianças como problemas. O que as pessoas precisam entender que os índigos ou cristais não são gênios e não operam milagres são crianças que estão tão além a sua faixa etária que alguns pouco falam e nem falam pois conseguem se expressar e se fazer entender sem a fala. Se irritam porque os tratamos como crianças e se vcs observarem estas crianças nos tratam de igual para igual. Falar sobre índigos e cristais precisa ser mais divulgado para que os adultos de hoje possam conhecer. Com isso não estou dizendo que não existem crianças com problemas, é claro que existem indisciplina, agressividade, e que realmente precisam de especialistas, mas é necessário que aprendemos a diferencia-los.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s