Mantra Buda da Medicina

O Buda da cor Azul é o Buda da Medicina, que representa a compaixão ilimitada e a fonte das artes médicas no Budismo. Isto refere-se à cura de sofrimentos mentais ou físicos.

A cor azul representa a estabilidade e a simultaneidade. Quando o Buda fica desta cor ele apresenta o antídoto para cada doença. Ele tira a causa e os efeitos de cada doença.

O significado dele estar na posição de Lótus, é para indicar sua vontade de vencer todas a sombras humanas, de estar de vestes monádicas é o compromisso de libertar todos os seres de seus martírios e o de estar segurando um pote, é a de segurar um pote que tem o néctar do Dharma, o remédio mais profundo que vem por meio do conhecimentos dos próprios defeitos e transforma-los, das próprias qualidades e se valorizar, do conhecimento dos outros e da prática espiritual.

Seu mantra para curas é:

Teyata om bekanze bekanze maha bekanze radza samudgate soha

Pratica em conjunto ao mantra:
Visualize o Buda da Medicina sobre a sua cabeça e enquanto recita o mantra, néctar sai do coração do Buda da Medicina até você, purificando todos os seus karmas negativos, males dos espíritos e todas as doenças, enquanto ao mesmo tempo o néctar traz todas as realizações do caminho até a
iluminação. No final, é importante visualizar o mais fortemente possível que todas as suas negatividades foram purificadas e eliminadas. O seu corpo fica muito claro e na natureza de luz.
Depois, visualize que muitos Budas da Medicina de todo o espaço descem e são absorvidos por você (ou pela pessoa
doente). Concentre-se fortemente que você (e todos os seres sencientes) foram inteiramente purificados.

Gayatri

Om bhur bhuvaha svaha
Tat savitur varenyam
Bhargo devasya dhimahi
Dhiyo yonah prachodayat

“Nós meditamos no glorioso esplendor do Divino vivificante para que Ele ilumine nossas mentes.”

Um dos mais poderosos mantras,  considerado o mantra da iluminação. Nas palavras de Sai Baba, este mantra é uma prece a Deus para nos conferir todos os poderes e talentos, considerado por vários sábios o mais completo e poderoso que podemos praticar. Ele é total — atua desde os aspectos mais sutis do ser até a matéria.
O mantra Gayatri traz a sabedoria divina para aqueles o entoam com devoção e constância. A sabedoria e a direção divina são coisas muito importantes para pedirmos a Deus. Todos os problemas, sofrimentos, doenças, miséria, todas as barreiras, podem ser vencidas ao conquistarmos a sabedoria divina. A sabedoria está no plano espiritual e este mantra é uma das mais fantásticas chaves para conquistar este poder.

O gayatri é conhecido como veda-mata, a mãe dos Vedas. O significado geral do gayatri é “a canção que concede a libertação.” Libertação tem que ter algum significado positivo.

A Recitação apropriada do Gayatri (todos os dias, com reverência e com a mente focada em Deus) é um poderoso sadhana (disciplina espiritual). Todavia por ser um mantra que exerce profundos efeitos na consciência, é necessário um tempo adequado de disciplina “real’ para que esses efeitos apareçam na vida da pessoa, mas as mudanças inevitavelmente são duradouras e definitivas.

É um instrumento cientifico de transformação de consciência. Seu resultado não depende de fé cega. Depende de um desenvolvimento consciente e progressivo, ancorado na repetição dos sons, em estado meditativo, com a pronúncia e ritmo corretos. Pela emissão correta a vibração penetra os chakras transformando-os de forma sistemática, fazendo-os desabrochar.

Palavras de Sai Baba

“Os seus dois olhos não podem revelar-lhes a magnificência e a majestade do reino do espírito. Eles estão focalizados no mundo objetivo e nas suas atrações passageiras. Conseqüentemente, o mantra Gayatri lhes foi dado como um terceiro olho, para revelar-lhes essa visão interna por meio da qual vocês podem vivenciar Brahman. Gayatri é um tesouro que vocês devem proteger as suas vidas inteiras. […]

Nunca abandonem o Gayatri; vocês podem deixar ou ignorar qualquer outro mantra, mas vocês deveriam recitar o Gayatri pelo menos algumas vezes durante o dia. Ele os protegerá dos perigos onde quer que vocês estejam viajando, trabalhando ou em casa. Os ocidentais investigaram as vibrações produzidas por este mantra e descobriram que quando ele é recitado com a pronúncia correta, como estabelecido nos Vedas, a atmosfera ao redor torna-se visivelmente iluminada. Assim, o resplendor de Brahma descerá sobre vocês, animará os seus intelectos e iluminará o seu caminho quando este mantra for entoado. Gayatri é a Mãe, a força que anima toda a vida. Portanto, dele não se descuide nunca.

Gayatri é conhecido como Panchamukhi que significa que ela tem cinco faces. Quais são elas? Aum é a primeira face; “Bhur Bhuvah Swaha” é a segunda; “Tat Savitur Varenyam” é a terceira; “Bhargo Devasya Dhimahi” é a quarta; “Dhiyo Yo Nah Prachodayat” é a quinta. O Gayatri tem três partes: louvor, meditação e oração. Primeiro, o Divino é louvado, então se medita com reverência e, finalmente, um apelo é feito ao Divino para dispersar a escuridão da ignorância e despertar e fortalecer o intelecto. Dhimahi relaciona-se ao aspecto meditativo. Dhiyo Yo Nah Prachodayat relaciona-se ao aspecto da oração. Cantar o mantra Gayatri purifica a mente e confere devoção, desapego e sabedoria. O mantra Gayatri é altamente sagrado. […]

O mantra Gayatri contém a essência de todos os mantras. O Gayatri é a personificação de todos os deuses e deusas.”

“Lembrem-se, o Gayatri é um tesouro que devem guardar por toda a vida. Nunca o abandonem. Podem esquecer ou ignorar qualquer outro mantra, mas devem recitar o Gayatri pelo menos três vezes ao dia. Ele os protegerá do mal onde quer que estejam: em um ônibus, carro, trem ou avião. Em uma loja ou na rua. Brahma-prakasa, a efulgência de Brahma descerá sobre vocês e iluminará seu Intelecto e seu caminho, sempre que cantarem este mantra. Gayatri é Anapurna, a Mãe, a que anima toda a vida. Portanto, não o negligenciem.”

Prabuuh Aap Jago

Tradução: Deus desperte. Deus desperte em todos e em todos os lugares.
Acabe com o jogo do sofrimento e traga a luz para o jogo da alegria.
“Essa é uma prece muito poderosa, se você faz com consciência nas palavras. “Deus desperte em mim”. Porque o Ser supremo está dentro de você, mas encontra-se adormecido no sonho do apego. O que sobra é essa partícula de consciência objetiva, que faz com que você consiga chegar até aqui. Essa parte consciente que se compromete com o despertar. É essa parte que pede. Por isso, dizemos que existe um véu de separação entre você, que é o Eu consciente, e o Ser supremo. Quando eu falo que Ele está adormecido, é sinônimo de dizer que existem camadas entre você e Ele. Você que é o Eu consciente, invoca o Ser supremo. “Ser supremo, acorde em mim; acorde em todos. Deus desperte, desperte em mim. Deus desperte em todos e em todos os lugares.” Esse é o significado desse mantra PRABHU AP JAGO PARAMATMA JAGO MERE SARVE JAGO SARVATRA JAGO. Isso na verdade quer dizer: “Abra meu coração, porque eu não sou capaz de fazê-lo. Estando meu coração aberto, eu lhe peço: Abra o coração do meu irmão. Que todos possam ser instrumentos do amor divino.”

Esse é o chamado do Santo para que o Ser supremo que habita em você acorde. É esse canto que te atrai até aqui. Equivale a dizer: levanta-te e anda em direção ao Santo que vai te dar o ensinamento para que você se liberte. Porque os Rishis (os sábios homens que se realizaram na verdade) também já estiveram no vale do sofrimento, por isso, quando olham para a humanidade, seus corações transbordam de compaixão. Eles querem que os filhos da Terra despertem.

É impossível querer a realização somente para si mesmo. É impossível ser feliz sozinho. Você quer que todos acordem; que todos possam experienciar a alegria sem causa; que todos possam ser felizes. É essa compaixão que sustenta o nosso trabalho. E é essa compaixão que faz com que estejamos unidos aqui nessa manhã. Estamos aqui cantando para que Deus desperte em cada um de nós, e para que esse mesmo Deus desperte em todos os filhos da Terra. Que o nosso coração se abra para todos.

Então, eu convido vocês a cantarem esse mantra com consciência para fazer dele uma verdadeira oração: “Que a realidade suprema desperte em mim; que o amor divino desperte em mim; que o amor desinteressado desperte em mim, porque Deus é amor; Deus é verdade; desperte em todos e em todos os lugares”.

Eu faço outra tradução do cântico do mantra Prabhu Ap Jago; quando dizemos “Deus desperte em mim, em todos e em todos os lugares”, é o mesmo que dizer: Que eu seja Um contigo. Que a nossa ligação nunca seja quebrada. Que cada palavra que saia da minha boca seja a expressão do Teu Santo verbo. Que cada ato por mim praticado seja a expressão da Tua Santa vontade. E que isso seja para todos. É uma oração pela unidade. Todo o mantra é perfeito. Veja a perfeição desse mantra. Você pede para a unidade acordar em você, mas também pede para acordar no seu irmão. Ele te ajuda a cortar o nó do egoísmo que é a principal trava para a evolução da consciência.”

Sri Prem Baba

 

Mantras| Os sons da iluminação

A palavra mantra é composta pelas sílabas man (mente) e tra (entrega), em sânscrito, antigo idioma da Índia. Tem origem nos Vedas, livros sagrados indianos compilados pela primeira vez em 3000 a.C.


Como atuam os mantras?


O som exerce um poderoso efeito sobre nosso corpo e nossa mente. E pode acalmar-nos e dar-nos prazer ou ter influência desarmoniosa, gerando uma sensação sutil de irritação. O mantra é ainda mais poderoso do que um som comum: é como uma porta que se abre para a profundidade da experiencia. Visto que os mantras não têm sentido conceitual, não evocam respostas predeterminadas. Quando entoamos um mantra, ficamos livres para transcender os reflexos habituais. O som do mantra pode tranqüilizar a mente e os sentidos, relaxar o corpo e ligar-nos com uma energia natural e curativa.

(Tarthang Tulku, A mente oculta da liberdade)

Essas escrituras compõem-se de 4 mil sutras, das quais foram extraídos milhares de mantras, que atribuíam características relacionadas aos deuses, como amor, compaixão e bondade. Como o som é uma vibração, pronunciar ou ouvir os mantras cotidianamente é, para os hindus, a forma de ativar as qualidades divinas, abrindo nossas mentes e nossos corações para os planos superiores.

Um mantra é basicamente uma “oração”, explica o swami Vagishananda, americano radicado na Índia há mais de 20 anos, mestre dos cânticos relacionados aos Vedas.

Mantras: O SOM DA DIVINDADE

Os mantras em geral são muito curtos, um breve verso comportando algumas sílabas e com sentido bem claro. Mas eles também podem consistir numa extensa combinação de sílabas aparentemente desprovidas de sentido. Os “sons-semente”, formados de uma única sílaba e que terminam quase sempre por uma nasal, como o m ou n, constituem mantras ainda mais complexos e enigmáticos. Dentro desta categoria, o mantra mais conhecido é OM (AUM), palavra  que diz-se contém a chave do universo. OM corresponde  às três principais divindades – Brahma, Vishnu e Shiva. Acredita-se que existe um mantra para todos os estados e todas as doenças e melhor ainda, para todos os problemas, de qualquer natureza. Todos podem ser resolvidos com a entoação dos sons convenientes e apropriados, porque cada mantra é um som, e as vibrações sonoras constituem a própria base do universo. As doutrinas orientais atribuem enorme importância ao conhecimento e uso dos mantras.

O mantra, circunstancialmente vem sendo confundido com palavras mágicas, orações, fórmula milagrosa, feitiçaria ou mera superstição; completamente distante de seu sentido real e científico. O mantra não é uma oração porque nelas o devoto escolhe as suas próprias palavras.

O mantra não é mágica por que não deve ser usado para interferir no curso dos fenômenos naturais e nem se trata de fórmula milagrosa por que é uma regra, uma lei e não um fato isolado sem explicação.

Os mantras são tecnicamente estudados no Tantra Shastra (escritura védicas apropriadas para a era atual, Kali-yuga).

Os mantras são representações sonoras das Divindades, assim como as imagens são Suas representações formais.

O nosso mundo é constituído de nomes e formas (namarupa).

Repeti-los muitas vezes é a chave para interromper o processo natural de pensamento intermitente, que nos leva de uma idéia a outra sem controle. Quando paramos esse fluxo mental, o corpo relaxa, e a mente se aquieta e se abre a vibrações sutis, que permitem ampliar a percepção.

Acalmando as emoções


“Recitar os mantras com esse propósito nos leva a conhecer qual será o próximo pensamento”, diz Vagishananda. Segundo ele, esse é o primeiro passo para gerenciar as emoções, expressá-las de maneira saudável e eliminar a resistência mental em reconhecer o que não pode ser mudado, como os fatos do passado.

Algumas linhas hindus consideram os mantras sons primordiais que têm poder em si mesmos. Outras, como o budismo nishiren shoshu – que reverencia o Buda Nishiren, que viveu no Japão do século 7 –, recomendam que se inicie o contato com seus ensinamentos pela vocalização do mantra Miohô, ou Sutra do Lótus.

“Todo mundo tem  Buda dentro de si. Ao pronunciar o mantra, elas serão expressas para o mundo”, explica Marcos Eduardo Correa, conhecido como monge Kyohaku, um curitibano praticante desse culto há 15 anos.

Recitamos e meditamos sobre o mantra, que é o som iluminado, a fala da divindade, a união do som com a vacuidade. […] Ele não possui uma realidade intrínseca, é simplesmente a manifestação do som puro, experienciado simultaneamente com sua vacuidade. Através do mantra, não nos apegamos mais à realidade da fala e do som encontrados no cotidiano, mas os experienciamos como sendo vazios. Então, a confusão do aspecto da fala de nosso ser é transformada na consciência iluminada.

(Kalu Rinpoche, The Dharma)


Refúgio de paz

Os mestres recomendam que se repitam os mantras, às vezes, durante horas a fio, mas no início não precisa ser tanto. O artesão João Bueno, de São Paulo, apresentado aos mantras por uma amiga astróloga, aprovou a experiência. Ao entoar um dos mantras do deus hindu Ganesha, relacionado à alegria de viver, pôde superar a perda de uma pessoa querida. “Pode ser coincidência, mas comecei a me sentir melhor com essa prática”, diz João.


“O verdadeiro impacto do mantra pode ser percebido depois de três horas de repetição”, explica o mestre Vagishananda. Alguns reflexos são bem mais imediatos, porém. Estudiosos do mantra Miohô – “Nam miohô rengue kyo” –, relacionam cada sílaba a uma área do corpo, que recebem os benefícios da vibração do som. Assim, nam corresponde à devoção, mio à mente, ou cabeça, ho à boca, ren ao tórax, gue ao estômago, kyo às pernas.

O taoísmo, linha filosófica chinesa, inclui práticas com gestos, respiração, canções e meditação, mas os mantras são considerados fundamentais por sua praticidade. “Podem ser recitados em quase todas as circunstâncias”, explica o mestre Wu Jyh Cherng, da Sociedade Taoísta do Rio de Janeiro.

Faça a experiência

Pode-se recitar mantras nos momentos em que sentimos necessidade de nos conectar com as qualidades das quais eles falam: alívio, calma, alegria, amparo, ânimo. Não custa tentar – afinal, o mínimo que a prática poderá fazer é deixá-lo mais tranqüilo e concentrado.
A vocalização do mantra Om Mani Padme Hum, um dos mais populares, proporciona ao final uma respiração profunda e relaxante (o H tem som de R).



Um cântico para cada momento

Há mantras específicos para evocar vibrações de cura, alegria e prosperidade, por exemplo, associados aos budas ou às divindades femininas – as taras. Pronuncie o H com o som de R.


Mantra de Buda Shakyamuni, para promover a autocura e companhia espiritual:

Om Muni Muni Maha
Muni Shakya Muniye Soha


Mantra de Maritze, uma tara que protege contra as adversidades, além de trazer luz e boa sorte:

Om Maritze Mam Soha

Mantra de Tara Sarasvati, a inspiradora das artes:

Om Ah Sarasvati Hrim Hrim

Mantra do Buda universal, ele ajuda a trazer o amor que está faltando no coração da sociedade moderna:

Om Maitreya
Maha Maitreya
Arya Maitreya

Mantra de Zambala, para a prosperidade e a riqueza espiritual e material:

Om Pema Krooda Arya zamabala
Hridaya Hum Phe Soha
Om Benze Dakine Hum Phe
Om Ratna Dakine Hum Phe
Om Pena Dakine Hum Phe Om Karma Dakine Hum Phre
Om Bishani Soha


Mantra de Tara Verde, libertadora e heroína veloz, elimina interferências como medo, ressentimento e insegurança, acelera a realização das causas positivas, traz proteção, fé e coragem.

Om Tare Tuttare Ture So Há

por Mirela Borges Postado em Mantras